top of page
  • Foto do escritorirenegenecco

SURREALISTA




Foto de Klara Kulikova

Aqui está meu poema

pedra limosa entre os dedos

vertendo sumo viscoso

feito de um ser

esmagado até os ossos.

Quem quer um poema

torto e desfigurado?

Aqui está meu poema

mão peluda cheia de garras

a subir pela parede

deixa gravado na pedra

que eu passei

crava estaca no coração do mundo

para que só eu exista.

Dou rugidos que espalham

estrelas para todo o lado,

garganta escancarada

vomito a pedra

que me impedia de gritar.

Aqui está meu poema

malcheiroso, torto, morto,

aborto da inutilidade de dizer.

Quem sabe de um útero vazio,

do pranto da mulher estéril?

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page