top of page
  • Foto do escritorirenegenecco

Num vale de ossos secos

Atualizado: 27 de dez. de 2023


Foto de Simeon Jacobson na Unsplash

Não há mais tempo de viver a dor,

há somente que senti-la

enquanto se capina,

enquanto a lágrima cintila.

Não há mais tempo para lamento,

há somente que engolir em seco,

enquanto se cavoca o chão.

Simultaneidade na idade da cibernética!

Ai, o céu está fechado hoje,

não há horizontes,

estamos exilados neste mundo oco!

Cadê meu Deus?

Quero entregar-lhe o que lhe pertence

mas só vejo césares neste mundo de cifras.

A cruz é também o punhal que rasga a carne

e deixa à mostra a dor do nervo exposto.

Não me suporto mais!

Tudo em mim é supérfluo,

tudo é máscara,

tudo é pele sobre osso.

Mas o osso clama por ficar à mostra,

a morte quer brincar debaixo do sol.

Haverá tempo de não ter mais tempo?

Senhor, Deus, tu o sabes!

- Profetiza a estes ossos secos.


Commentaires

Noté 0 étoile sur 5.
Pas encore de note

Ajouter une note
bottom of page